Com uma remuneração altíssima e uma possibilidade de atuação que encanta profissionais do Direito, o concurso de Analista do Ministério Público de São Paulo, realizado em 2018, atraiu milhares de concorrentes de todo o país.
 
Entre os alunos do curso de Direito e os profissionais já formados, não foi diferente. Mas o que foi diferente entre a Toledo Prudente e outras instituições, foi o número de aprovações, 55 no total, para um total de 26.312 inscritos no Estado de São Paulo. 
 
Entre todos esses aprovados, três se destacam. Diogo Xavier de Andrade, João Pedro Gindro e Henrique Koga Fujiki (Foto 1) ainda não concluíram a graduação e estão entre os aprovados para tão importante e concorrido concurso. 
 
“A aprovação desses estudantes do curso de Direito, reflete o que a Toledo Prudente tem consolidado ao longo desses anos, um compromisso com ensino de muito qualidade. Além disso, é importante destacar a nossa estrutura que é diferenciada e os nossos professores que possuem titulação e muita experiência”, foi assim que o coordenador do curso, Dr. Sérgio Tibiriçá Amaral, comemorou mais uma conquista.
 
Com apenas 25 anos, João Pedro Gindro, disse que decidiu fazer o concurso para medir os conhecimentos, por independência financeira e também para adquirir experiência no cargo, já que ele visa a Promotoria e a experiência é exigida. 
 
“Quando eu vi o Diário Oficial a minha reação foi de espanto e ao mesmo tempo, de muita alegria por saber que todo esforço foi recompensado. Na mesma hora, às seis horas da manhã, liguei para Henrique Fujiki que também havia sido aprovado para comemorarmos juntos”, contou Gindro. 
 
Henrique Fujiki, de 22 anos, disse que esse é apenas o primeiro de muitos concursos que ainda virão. Para a vaga do Ministério Público, ele e o amigo começaram a estudar em fevereiro de 2018 e passaram o ano entre resumos, estudos, debates, aulas, grupos de estudos e outros. Depois da aprovação na primeira fase, foram mais 3 meses de preparação para a fase discursiva. 
 
“Após alguns minutos de apreensão e frio na barriga encontrei meu nome e a reação que tive foi de alegria e felicidade, principalmente depois de encontrar o nome de tantos outros colegas. A sensação que fica é a de dever cumprido e de tranquilidade, que me permite planejar minha vida após a formatura com maior segurança”, finalizou Fujiki. 
 
Diogo Andrade, 21 anos, conta que foi estagiário no Ministério Público Estadual e sempre gostou de estar lá. “Conciliei a faculdade com estudos extras para dar conta da quantidade de matéria. Eu soube da aprovação por um grupo de WhatsApp, assim que acordei já havia diversas mensagens. Levantei, tomei coragem para ler as mensagens e vi que tinha sido aprovado. Sai correndo para abraçar meus pais”, disse. 
 
Mas você deve estar se perguntando o que faz um Analista do Ministério Público, certo? Dentre as principais funções de um Analista do MP, estão a prestação de auxílio direto aos membros do Ministério Público, Promotor ou Procurador de Justiça, no exercício de suas funções institucionais, o que se dá mediante a elaboração de minutas de pareceres, recursos e outras peças processuais, além da realização de pesquisa doutrinária e jurisprudencial sobre determinado tema jurídico, incluindo-se, ainda, a realização de tarefas administrativas, como a feitura de ofícios, controle da pauta de audiências e sessões etc.